Resenhas

#Resenha Arruinados – Série Avassaladores livro 1- Luz M. Agom

Olá, literalovers. É dia de resenha, avisa aos amigos!

O livro da vez é Arruinados (Serie Avassaladores – Livro 1) um romance nacional da autora Luz M. Agom. Ela começou no Wattpad, depois publicou em e-book pela Amazon e esse ano lançou a versão física do mesmo. É o trajeto de um objetivo até a sua realização. Quando eu recebi o livro senti uma alegria grande porque vi ali um sonho concretizado.

Bom, vamos ao que se trata, sim? O livro “Arruinados” conta a história de Amanda ou Mandi, e Antônio ou Tony, mas Amanda prefere chamá-lo de Antônio e isso faz muita diferença pra ele. Amanda é separada, tem uma filha e no começo do livro mora com seu irmão Pedro. Antônio é o melhor amigo de Pedro e, apesar disso, ele a conhecia apenas de longe, até salvá-la duas vezes nas primeiras páginas do livro. Na segunda vez, Clara, filha de Amanda, estava junto, então a gratidão foi ainda maior. O livro é ambientado em Belo Horizonte com uma rápida passagem até Recife. 

 

E no quesito amor os dois estão arruinados. Ela, decepcionada com o ex, não quer mais saber de nada sério, quer se sentir no controle da relação e NUNCA quer casar novamente. Tony, pobre Tony, nunca nem sequer experimentou uma pitada do que é amor, pois segundo seu pai lhe disse o amor só causa dor e sofrimento. O que o tornou solteiro desde sempre, mas não sozinho. Sabe a famosa frase “solteiro sim, sozinho nunca”? Pois é, ele todinho. Ela é forte, decidida e controladora e essa personalidade dela faz a gente torcer muito pela mesma. Ele é muito mais que um rostinho e corpo perfeito, é um cara muito generoso, inteligente e sincero. Gente, se metade dos homens fossem sinceros assim o mundo seria outro. Tony é ideal, garotas… Difícil não se apaixonar.

Algo se encaixou na hora que os lábios de Antonio tocaram os meus. Eu não sabia o que estava sentindo, nem nada da nossa história, mas eu sabia que aquele homem enorme, forte, lindo e rústico era meu lar. eu estava novamente em casa.

Acontece tanta coisa com eles que eu pensei não tem nome melhor pra descrever esses dois do que “arruinados”. Isso porque vocês não sabem nem metade da missa. Amanda apareceu para quebrar todas as regras do que Tony um dia acreditou. Fez com que ele entendesse o que o amor significava e ela também aprendeu muito com ele. Duas vezes até. No ápice do livro, eu achei o acontecimento genial porque ali muitas peças se encaixaram. Os dois tem uma historia intensa, como o livro é do começo ao fim. É bem hot, viu? Quem for ler já saiba disso.

A Luz é uma autora muito iluminada (piegas pode ser), mas é verdade. Ela quer transmitir a crença no amor por meio do que escreve, mesmo sendo de um jeito Hot, mas o amor tá ali sim, presente sempre, nunca esquecido. E já pretendo ler os próximos livros da Série Avassaladores porque ela ganhou uma leitora de carteirinha.

Por Téh


Compre o livro na Amazon:

Arruinados (Avassaladores Livro 1) eBook Kindle : https://goo.gl/fJpncB
Box: Série Avassaladores eBook Kindle: https://goo.gl/1GB1hS

Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais seguro do que ficar arruinado como esse casal:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook
Julgando Pela Capa

#JPC Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven

por_lugares_incriveis

Gente mais um livro com esse tom de verde que eu amo. Tá na moda mesmo, viu como entendo de cores? Eu amo cores e essa capa é bem colorida perceba.

Olha tenho que confessar que já julguei essa capa na livraria por uns 1 segundos antes mesmo de pensar em ter um blog que teria como uma categoria julgar as capas dos livros e que ainda por cima um desses livros viria a ser logo aquele que já tinha “desprezado” uma vez. (só se eu fosse profeta para pensar em tudo isso tanto tempo atrás).

E você pergunta (ou não) oque você pensou sobre ele durante aqueles 10 segundos? Calma, eu já ia dizer. Eu pensei que era um livro infantil. Sim, isso mesmo você está lendo certo. Isso por causa desses blocos/peças de montar que são brinquedos de crianças. Bem, se você não sabia disso provavelmente não tem contato com crianças, ou nunca tenha sido uma. Tá, parei (essa expressão é tão Orkut).

Entre outros elementos como as nuvens de papel (um dia me disseram que as nuvens não eram de algodão. Tai a prova! Quem falou cantando comenta aqui!). E os bonequinhos que parecem ser feitos de lápis, caneta, carvão… Tudo tem uma atmosfera bem infantil e foi ai que não me interessei. Mas num parece gente? Diga-me que não sou a punica a pensar assim… E eu ainda não li vai que não estou errada e é mesmo infantil?

Ate que o interesse voltou quando eu soube do evento onde a autora iria autografar o mesmo e claro que eu fui ne? Perder a chance de conhecer uma escritora internacional e dar uma chance de entender melhor o livro e ainda ter um livro autografado, meu primeiro livro com um autografo. Nem que eu fosse insana. Ah, e lembra que o meu livro “Cartas de Amor aos mortos” também é autografado? (chegou aqui e você não tá entendo do que estou falando clique aqui), pois então elas são bffs e estavam autografando junto Brasil afora. E poxa a autora é um amor, queria guardar ela dentro de livro e protege-la.

Voltando a capa e com novos olhos (depois desse evento) e com base na sinopse me parece ser uma boa historia, acredito que seja juvenil (na resenha teremos certeza) e que eu vou chorar com certeza: A menina e o menino no alto dos prédios, que parece ser uma escola, isso está muito claro pela sinopse também. Ele parece que pulou e está voando, ou como uma fotografia ele congelou ali. E se sente livre, claro que não vemos a cara de desespero (se fosse eu no caso), mas é o que parece. Já a menina está com os pés no “chão” e aponta para ele como se quisesse ajuda-lo ou salva-lo. Só que não há desespero (mais uma vez haveria se fosse eu). Talvez isso se deva porque eles vão um de encontro ao outro e vai estar tudo bem.

Seria amor? Amizade? Um me deixa ler que volto pra te contar. E espero que eles fiquem com os pés nos chão. Entendeu o que eu quis dizer? Pelo menos é o que eu espero desse livro.

Por Téh


Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais rápido que montar esse quebra-cabeça:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook
Resenhas

#Resenha Mil Dias Em Veneza – Marlena de Blasi

Hello!

(Não consigo começar um post com outra palavra, sorry pessoas inovadoras.)

Planejei ler o livro Mil Dias em Veneza da Marlena de Blasi (Edição da Sextante) achando que teria a sensação de férias de verão na Califórnia. Eu estava fazendo isso errado, bem errado. Pra começar fiquei doente, então não saí do quarto todo esse recesso que fizemos. Nada de Califórnia ou sequer a esquina de casa.

mil-dias-kl

Pra continuar, a leitura não fluiu para mim. Sabe o que é você passar dois meses pra conseguir ler 100 páginas? Eu sei. Aconteceu.

Em toda minha vida só abandonei livro 2 vezes. Se começo quero terminar, já falei pra vocês dessa minha teimosia. Não abandonei esse livro por completo mas pulei várias partes e vou aqui fazer uma resenha enumerada para vocês entenderem por que fiz isso:

1. O livro é bem reflexivo. Amo frases lindas e o livro tem muitas dessas. Muitas. Tem demais. DEMAIS. Eu tava entrando em deprê e não quis me dar à esse luxo.

“Eu me apaixonei por você, não à primeira vista, porque só vi um pedaço do seu rosto. Para mim foi amor à meia vista. Foi o suficiente. E não ligo se você achar que sou louco.” (Eu acharia. Na verdade, fugiria correndo de mãos dadas com Usain Bolt.)

160815202407-usain-bolt-smiles-jeanne-moos-pkg-large-169

“…não me apaixono nem à primeira vista, nem à meia vista, nem com facilidade nem com o tempo. Meu coração está simplesmente enferrujado por causa das velhas engrenagens que o mantêm fechado.” (Não pareceu ser bem assim. Você se mudou pra Veneza pra casar num piscar de olhos, senhora.)

“…aprendi a querer o que ele queria. E, com o tempo, fui acumulando sobre meus olhos camadas e mais camadas de uma atadura quase transparente que cobria meus sonhos.”

 “Ele tem a voz de um menino contando segredos.” 

“Muitas vezes nós que não deixamos a vida ser simples.”

2. Não entendi como a personagem era. Sei que ela tinha meia idade, chefe de cozinha, dois filhos adultos e conheceu um veneziano. Mas, queria aprofundar mais. Sentir a personagem viva. (Eu sei… por ser uma biografia a protagonista está mais viva do que qualquer outra dutante a história, mas vocês entenderam LoL)

3. Maior parte do livro o cara veneziano é um quase estranho. E é assim que ela se refere à ele: O Estranho. Mais um personagem distante.

4. Não senti o clima entre eles. De repente eles se conhecem e quando você percebe ela já está se mudando para Veneza para casar com o estranho no capítulo 3. Não entendi o que fez um amar o outro e nem o que realmente sentiam. Acredito que por ter sido real não tem os grandes dramas comuns da ficção. Mas, eu gostaria de me sentir mais envolvida já que tive a sensação de estar acompanhando à distância.

5. É cheio de nomes em francês, frases em italiano e comparações até bizarras. Sabe o cheiro de ovelhas nas chuva?  Alguém aí com vontade de comer scaloni, enchalota tagliatelle ou alcachofras fritas? Não eu.

6. A história conta a mudança da nossa protagonista para Veneza para se casar com um veneziano estranho (Dr. STRANGE) e é isso. Não tem exatamente um clímax. É uma biografia em primeira pessoa onde ela vai contando alguns fatos e refletindo nas mudanças da vida.mil-dias-k

Minha primeira resenha numerada não tem a intenção de menosprezar o livro. Como falei, tem frases lindíssimas. Para quem quer algo leve vai fundo, sem medo de ser feliz.

Mas, para mim não foi algo que me prendeu (nem sequer consegui ler na íntegra pois tinha muita descrição, o que me deixou cansadinha). Era aquela sensação de preguiça sem fim o tempo inteiro.

Como somos pessoas diferentes pode ser que você curta a leitura em algum momento da vida. Não aconteceu comigo, mas se acontecer com vocês aproveitem e depois me contem!

E só mais uma coisa… a história começa em 1993. Espere ler sobre ligações para o telefone do restaurante em vez de celulares.

Por Lua


Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais rápido que casar com um veneziano.:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook
Julgando Pela Capa

#JPC Uma Curva no Tempo – Dani Atkins

baixar-livro-uma-curva-no-tempo-dani-atkins-em-pdf-epub-e-mobi

Ai gente, às vezes é tão difícil de fazer isso: analisar a capa de um livro e falar sobre. Porque usamos a imaginação para tentar entender logo a primeira vista se o que a capa mostra tem alguma relação com o conteúdo. Sendo que no caso não lemos e não fazemos ideia ainda.

É praticamente um analise semiótica (pra quem não sabe o que é pesquise, mas resumidamente é ver significado em tudo) me sinto na faculdade novamente e olha q eu não gostava muito da matéria, mas adoro “julgar o livro pela capa” aqui. Sinto-me quase uma CSI, separando cada parte para descobrir se juntos resultam em algo lógico. Agora já pensou se quem fez a capa só jogou tudo lá, só pra atrair o leitor e não representa nada? Eu só ia chorar litros.

Vamos ao que interessa. O livro é Uma Curva no Tempo, da Dani Atkins.  É seu primeiro romance e publicado pela editora Arqueiro. Olhar para essa capa me acalma. Acho que é por causa desse tom de verde (que está super na moda, repare). Apesar do que a cor sugere transmitir eu acho que é para nos enganar, porque ela sinopse acontece umas tretas… Que já estou me preparando pro pior. Porém, ela é tão fofa e harmoniosa que me recuso a aceitar que ela não tenha relação alguma com o assunto do livro (num é pra julgar? Realmente tô julgando). Por ser assim tenho vontade de emoldurar e pendurar na parede. Amo ilustrações, desenhos e afins. A cor é uniforme em toda a capa. O que isso quer dizer? Eu não faço ideia.

Ainda mais com essa frase “E se a vida lhe desse uma segunda chance?” SOCORRO! Quem não ia querer isso? Já pensou em consertar os erros do passado, ou fazer algo que deveria ter feito?

Tem uma jovem (não consigo identificar a idade aproximada) com seu guarda-chuva andando por um lago enquanto está nevando (imagina esse clima? Queroooo). Claro que eu imagino que isso seja uma cena em alguma parte da história, mas talvez não tenha nada a ver. Para mim esse guarda-chuva sugere algo como refúgio, esconderijo, proteção, solidão…

No reflexo dela no lago não é a mesma imagem que vemos e pra mim ai que tá o toque especial da capa. Vemos um casal, ela e um rapaz, mantendo certa distância, o que pode indicar que ou eles estão se encontrando ou mantendo uma leve aproximação já que nada está “ligando” um no outro. Certas linhas e sombras estão sobre eles como se essa imagem fosse irreal ou que estivesse em um tempo diferente de onde a moça solitária acima está andando.

Seria isso a curva no tempo? Seria essa a segunda chance?

É uma ficção, estou ansiosa pra ler.

Vemos-nos na resenha! Besitos de luz!

Por Téh


Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais rápido que fazer uma curva na esquina:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook
Resenhas

#Resenha Guerreiros Elementais – O Início do Mal (Estevão Aleksandravicius)

O que você faria se fosse chamado para comparecer a uma seleção, no meio da Mata Atlântica, com a missão de ser um ajudante para proteger a natureza da devastação?

Até ai tudo bem. Mas, acrescente a isso: um tamanduá bandeira chegando sorrateiramente até sua casa (na sua frente pra ser mais precisa) e como um entregador dos correios ele deixa uma folha de árvore com aquela mensagem (dita acima) escrita em letras douradas. Tá bom pra você agora? Não sei você, mas eu ficaria toda me tremendo.

edit-res4

Pois foi exatamente isso que aconteceu com Gabriel, João, Sheila, Raoni, Zoe, Sabrina, entre muitos outros jovens que foram escolhidos ao longo de todos os estados do Brasil. E o local para onde eles foram convocados a ir nessa missão era nada mais nada menos que um lugar que tem muitas plantas, bichos… Já sabe? Mata Atlântica, no santuário.

Arátor, o guerreiro de armadura e espada (sim, pode crer) e Calixto, o sábio de manto e cajado (é, se eu só falasse os trajes já dava pra saber quem era o que) foram os responsáveis por essa seleção a pedido da Mãe Natureza (Não é pra vaga de emprego. Infelizmente, porque ai até eu iria querer participar). Pra que isso? Como uma opção para tentar preservar a natureza com a ajuda dos próprios seres humanos do bem, já que tem os do mal que destroem. Mas será que essa ideia foi boa?

Porque para conseguirem realizar essa missão apenas como humanos comuns não ia rolar, né? Ai a mãe Natureza resolve dar uma incrementada na vida dos “reles mortais” que serão escolhidos dando a cada um determinado poder. Seriam apenas quatro poderes, aqueles elementos básicos que conhecemos desde criança: fogo, terra, água e ar. Mas então foram inseridos mais seis: fauna, flora, metal, gelo, raio e luz (para a pessoa mais good vibes que tiver por lá).

Agora se imagine com algum desses poderes. Agora imagine mais 10 pessoas com poderes! Bem, se você for uma boa pessoa vai usar seu poder para não só proteger a natureza, que é o que tá escrito na sua missão, como ajudar alguém que precise. Agora, e se esse poder cair em mãos erradas? Alguém que quer tudo e mais um pouco apenas para si mesmo? Só me despeço do mundo. Bye, bye world. Mas, isso não é spoiler não, são hipóteses lógicas!

Acredito que já fazem ideia do que pode acontecer nessa história (tiro, porrada e bomba), mas espero que te surpreenda de verdade. Sem mais detalhes porque o livro é curto (um dos mais rápidos que li. Palmas pra tartaruga aqui.) e tudo acontece sem enrolação: (se for fã de suspense, sugiro um livro de mais de 500 páginas) em uma frase tá o conflito e na outra a resoluçã. Pá pufo! Sem tempo para pensar, mas ainda assim você fica cada vez mais grudado nele para saber como vai terminar  e o que vai acontecer. É de fácil leitura. Apesar de acontecer anos depois do descobrimento do Brasil, o autor é do nosso tempo e o português é o coloquial, informal (demos graças \o/).

edit-res5

Tem um porquê do livro ser pequeno, mas só lendo para descobrir. E como esse é o inicio sabemos que vai ter outro (não é mesmo, Sr. Autor?) e em outra época (segura esse meio/quase/de leve spoiler que não foi muito claro). Ficou curioso? De nada! Estou aqui para fazer isso. Então cuida em ler logo esse que deve vir mais por ai.

Por Téh


Para comprar: http://migre.me/w0TVW
E-book amazon: http://migre.me/w0V9p
Editora: Editora Pendragon
Autor: Estevão Aleksandravicius
Páginas: 190
Edição: 1
Ano: 2016
Tipo de Capa: Brochura – Supremo 250g Com duas orelhas
Assunto: Literatura Nacional – Fantasia
Idioma: Português

Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais rápido que ler o livro apesar de também ser rápido:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook

 

Julgando Pela Capa

#JPC Temporada de Acidentes – Moïra Fowley-Doyle

page_1Primeiramente, eu gostei dessa capa desde quando eu vi pela primeira vez na 5º Turnê da Intrínseca a quase um ano. Ai, ai. 1 ano de vontade e apenas agora vou conseguir  ler, but… Antes tarde que nunca!

Gostei também pela história em si que foi introduzida durante o mesmo evento da Intrínseca, não lembro exatamente por quê mas fiquei com aquele interesse oculto até que depois da Black Friday (onde não comprei nada, cry) ele tava em promoção no #SaraivaDay e foi aquele o momento que não se pode deixar passar na LIFE!

Acredito que deve ser louco e diferente de tudo que já li. Então percebam que as minhas expectativas estão bem altas para esse livro (não me decepcione, não me decepcione livro… vou fazer um mantra…).

Agora vamos à análise da capa em si, com certa minúcia… Ela chama a atenção de cara (PÁ) por esse jogo de cores na capa. Sim, você pode nem reparar nisso de cara, mas eu (nós) já somos experts em analisar capas de livros e julgá-las sim! Então, confie em mim, isso faz sentido (o lance das cores, caso você tenha se perdido). Tons de verdes (muito variado). E o significa a cor verde? Curioso, porque quer dizer, harmonia, equilíbrio, esperança, recomeço, saúde… Ironicamente empregado com a imagem de uma garota caindo e o titulo.  Observem em cima e embaixo como a cor verde é mais escura a cor que no meio, propositalmente para destacar a figura central chamando mais atenção.

E o que é aquilo? É um pássaro? É um avião? Não! É alguém caindo, uma mulher/garota no caso (a julgar pelo vestido vermelho e sapatilha, tá arrumadinha, o que nos leva a pensar: o que teria acontecido para ela estar voando/caindo/flutuando?)

Observe que virando a imagem (isso mesmo, faça esse esforço) da para perceber que, na verdade, ela esta caindo ao contrário. Porque não dá pra cair do chão para o céu, não é mesmo? ~Voltem à posição original, obrigada, Deus lhe pague ~ Acima é grama, ou seja, ela vem caindo da direção oposta que sugere ser o céu bem carregado. Será que ela caiu primeiro que a chuva?

Bom, no geral, a somar pelo nome do livro, que eu acho sensacional e um pouco perturbador, e pela figura em si, sugere-se que ela foi arremessada de algum lugar ou de um foguete, talvez?

Percebam que os elementos em vermelho (a frase a menina e o botão) estão centralizados como se fossem pontos para chamar atenção: Cuidado! Acidentes acontecem… Sobre o botão não tenho muito o que falar, além de que espero que ele seja mencionado em alguma parte do livro. Sim ué, ele tá em destaque.

Torço muito para que esse livro seja bom porque já é uma das minhas capas favoritas.

Por Téh


Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é seguro e não acontecerá nenhum acidente:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook
Resenhas

#Resenha Hollen – Anjo Caído (Fernando Raposo)


Já seguiu as nossas redes sociais? Juro que é mais rápido que ver um anjo caindo do céu:
#Facebook  #Instagram  #Twitter #Skoob #Wattpad #LuvBook